domingo, setembro 13, 2009

Duas vezes Tarantino

À Prova de Morte é o filme mais simples e relaxado de Tarantino, sem estruturas milimetricamente construídas, como a de Pulp Fiction, ou exaustivas e cheias de informação, como a de Kill Bill. É um filme analógico, como um LP: meninas conversam pra lá e pra cá até a metade do filme, onde há uma explosão de violência que encerra o lado A. Viramos o disco, e o chitchat volta com mais meninas legais falando pelos cotovelos. Última faixa é outra longa sequência violenta, só que com direito a revanche.

Francamente, essa simplicidade desconcertante do filme de meninas em férias (a ideia do Grindhouse, homenagem ao cinema pulp dos anos 70, passa em branco) registra absurdamente como um filme de Rohmer, e num dia inspirado. Os alicerces estão todos no bate-papo, e 90% da projeção é apenas isso, um primor de leveza.



E Tarantino, claro, continua um excelente dialoguista, o melhor de todos, escrevendo falas que passam longe do cool gratuito, definindo e desenvolvendo personagens com uma facilidade inacreditável. Quanto mais o tempo passa, mais tempo queremos ficar espionando esse papo do lado de cá da tela.

O filme é um prazer de ver e ouvir, um divertissement (alô, Setaro) de luxo de um autor inspiradíssimo. Se Tarantino fosse Hitchcock, esse seria seu Intriga Internacional, ou Ladrão de Casaca. Se a Europa finalmente lançá-lo em novembro, mesmo tendo perdido muito coisa, arrisco dizer que pode ser o melhor filme do ano.

***

Antes de À Prova de Morte estrear no Brasil, a Universal deve pôr no mercado o longa mais recente de Tarantino, Bastardos Inglórios (Sacanas Sem Lei em Portugal e Angola), que estreou em Cannes e, dizem, foi levemente remontado para a exibição comercial. O filme é outra joia, e nos traz prazeres inéditos na obra do diretor.



Pode não parecer, mas Tarantino sempre teve interesse absurdo por gente, personagens, característica que não é encoberta pela estilização que é sua marca registrada. Dessa vez, com a exceção do Coronel Landa, seu filme abandona essa preocupação e resume-se a uma coleção de fetiches cuja única função é compor a imagem de uma grande celebração do cinema, daquele antigo, em película.

Se Death Proof lembra Rohmer, esse aqui seria o Vestida Para Matar de Tarantino, o momento em que a reflexão sobre a História e a linguagem do cinema (presente em toda a carreira do diretor) finalmente suplanta a busca obsessiva por um refinamento dramatúrgico. Tudo funciona dentro do cinema, sem que a possibilidade da existência de um mundo real sequer exista. Não à toa, os fatos são mandados à puta que pariu da maneira mais delirante possível.

Enfim, é um filme com muito plot e pouco drama, um quebra-cabeça fácil de montar, cheio de peças usadas mas remontadas com imenso frescor. Bastardos Inglórios voa das aventuras de montanhismo de Pabst até os thrillers estilosos de guerra dos anos 60. Cinéfilos riem mais, e melhor. Em tempo: o próximo filme de QT deve ser estrelado por Lauren Bacall.

8 comentários:

Murilo disse...

Death Proof é sensacional até se visto em casa sozinho, no meu caso. Esperamos que a Europa desencalhe logo para levar toda aquela descarga elétria no cinema. Bom saber que ele vai trabalhar com Bacall, quem sabe agora ele não entrega seu Aventura na Martinica, hehe. Sobre esse próximo projeto, é um daqueles três no In Development do IMDb?

Murilo

Saymon Nascimento disse...

Rapaz, não sei exatamente. Lauren Bacall que disse que estava lendo um roteiro dele no Twitter. O filme é com ela e Christina Ricci.

aziz disse...

Simon, vi os dois filmes e vc foi em cima nas análises! Parabéns!


(death proof é mesmo uma delícia perdida na obra do Tarantino, tem gente q não sabe q o filme existe, e tem gente q viu e simplesmente não foi capaz de absorver o surrealismo pop do cara)

de quebra, é a melhor trilha sonora do cara desde pulp fiction...
um artefato pop mesmo!

Marcos Palacios disse...

Teu blog esta' cada vez mais bacana, encontro muitos filmes exceletes so' de ler tuas postagens. Avisa pro Setaro que o blog dele ta' passando virus pros computadores dos visitantes.

Saymon Nascimento disse...

Ô, fake, o próprio Marcos Palacios me desmentiu a autoria desse post. Vou deixar aí o comentário pra passar na sua cara a falta do que fazer.

hommageavigo disse...

Afff.. falta do que fazer mesmo!

Gosto do seu texto Simon. Conheço o Blog faz pouco tempo.

Já está linkado.

Sou de ssa também, e estou com um projeto de criar um cineclub, estou vendo com a UFBa a questão do espaço. Estiver interessado avise.

Abraço,
Murilo.

http://letsfeel.wordpress.com/

Murilo Almeida disse...

Olá,

só para avisar que tem algum covarde postando besteiras em alguns blog e assinando com seu nome cara,

fue.

André Setaro disse...

A internet é, mesmo, um problema e um perigo. Devo dizer que meu blog não está a passar vírus nenhum para computador visitante. No caso, seria mais acertado dizer que o computador visitante é que se encontra virótico.

Mas o seu post está excelente e seus textos cada vez mais burilados e interessantes.